Professora ensinando matemática em sala de aula

Educação Financeira nas escolas?

Tempo de Leitura 2 min.

Todos nós — sem exceção — temos que lidar com o dinheiro, e aprender os fundamentos básicos é o primeiro passo para evitar maiores problemas financeiros. Muitos brasileiros não sabem nem o básico do assunto. Para se ter uma ideia, uma pesquisa feita em 2014 apontou o Brasil como o 74º país no ranking global de educação financeira.

Pensando em combater essa carência, no segundo semestre deste ano, o Banco Central vai expandir o “Programa Aprende Valor”, que levará educação financeira para as salas de aula do ensino fundamental da rede pública.

A previsão é atingir cerca de 22 milhões de alunos, dependendo somente da adesão das secretarias municipais ou estaduais de Educação. O objetivo é trazer noções, principalmente, de finanças pessoais de uma maneira natural à aprendizagem do aluno.

Educação financeira nas escolas vai muito além de ensinar crianças e adolescentes a se organizarem financeiramente. O objetivo é dar ao estudante ferramentas para controlar a sua vida financeira em três frentes principais: fluxo diário de receitas e despesas; poupança; relações com produtos financeiros, ajudando a entender, por exemplo, o que é crédito emergencial e o que é crédito de longo prazo.

Outro argumento para a criação dessa nova diretriz, além da carência de educação financeira dos brasileiros, é a necessidade de diminuir o número de inadimplentes, que chega a 63 milhões atualmente. 

Estudiosos reforçam que por meio dessa prática, os alunos aprendem e desenvolvem traços comportamentais que podem fazer a diferença no futuro:

  • Autocontrole emocional;
  • Disciplina;
  • Organização e planejamento;
  • Autoconhecimento;
  • Gestão e inteligência financeira;
  • Visão analítica.

Devo investir? Onde? Em quê?

 Finanças, juros, fundos de investimento, são assuntos que assombram muitos brasileiros devido ao medo de perder seu patrimônio em investimento errado. É claro que estão certos em se preocuparem com investimentos ruins, mas, por falta de conhecimento, acabam se endividando.

De acordo com a edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), o Brasil ficou em último lugar no desempenho em competências financeiras entre os 15 países analisados, e nenhum estado da nossa querida nação ficou acima da média, que foi de 489 pontos.

Ou seja, podemos afirmar com certeza que educação financeira definitivamente não é o forte do brasileiro.

Mas, há esperança!

Daniele Machado

Redatora da Bankme

Outros Posts

Ferramentas Bankme

Newsletter

Av Ayrton Senna da Silva 760 b

Londrina – Paraná 

CEP  86050-460

Tel (43) 3372-9906